Rua Beatriz, 258 | São Paulo - SP | 1194456-0258contato@casauba.com.br

Ubá

Por Julia Rosetti


Alguns esquecem do “u” e fica só “bá”, dizem felizes “vou lá pro Bá hoje”. Outros atribuem o nome a uma pessoa “Cadê o Ubá?” “O Ubá não veio?”.

Uma até caiu na risada quando, um dia, sem vaga por perto, sua tia estacionou o carro mais afastado “Tia, não era pra me trazer pro bar, é pro U- bá, não bar!”...


Ubá, uma canoa feita de um tronco só.

“Canoa? Mas é uma casa!”

Sim, é uma casa... e alguns até pensam que é a nossa casa. “Vocês moram aqui?”, “Vocês dormem lá na sala dos livros?”. E, quando negamos, e contamos que temos a nossa casa, surgem diversas outras perguntas” sua mãe vem te buscar?” ”Você mora com a sua mãe?” “Você ainda tem mãe?”

E a surpresa cresce “Você ainda tem avô?!?!”.

Mas sim, também é uma canoa. Uma canoa, uma casa, um avião, um navio, um ônibus que segue viagem para a praia, para o cinema, para Onde vivem os Monstros...

É um foguete que “vai subindo vai, vai levando o astronauta” e “o meu foi laaaa pra janela”, “O meu chegou na lua” “o meu foi pra lá e pra lá e foi e virou e PUM!

É uma floresta com muitos bichos. Tem o “auau”, a “cocó”, o tigre, o elefante, a lagartixa, o dinossauro, o urso... “Acorda seu urso!”.


É também um trabalho. “Trim, trim. Alô? Agora não posso, to trabalhando. Tchau!” e “Trim, trim. Alô? Mamãe? Só depois da história. Tchau!”. (É encontro e separação).

É um restaurante, com muitas comidas supimpas. Sopa de pedra, biscoito de massinha, bolo de areia... uma mistura de ingredientes no preparo “melão, abobrinha, mel, uma xícara de leite, uma pitada de farinha, berinjela, minhoca... e mexe que mexe”. E é só por uma velinha e tudo acaba em “é pique, é pique, é hora é hora, rá-tim-bum!”

É também uma pista de trem e carros, bem longa, que demorou um monte para fazer, para encaixar pedacinho com pedacinho e completar uma volta.. “Mas aí, veio um gigante e destruiu tudo”.


Ubá. É essa infinidade de possibilidades. De criar, construir, desconstruir, reconstruir, de atravessar o rio, crescer, viver...num comum, uma linguagem comum, um tronco que se sustenta dentro de cada um e em todos.


Enfim, a Casa Ubá é um pouco a nossa casa sim!